segunda-feira, 6 de outubro de 2008

De mão no queixo e tanta espera

E tudo se resume em nós. Os nós dos dedos e o desatar de antigas amarras. É setembro indo embora. Os ipês dançam e vestem as calçadas de amarelo ou roxo. Quase nunca branco. Nem flor de ipê nem nuvem. O céu dói de tão azul. É quase cinza. Como quase tudo na vida. É quase amor e quase saudade. A Roda. E eu sentada na varanda arrematando os nós do meu bordado.


Você trazem alegria para esta casa.

3 comentários:

Laís Romero disse...

Construção poética maravilhosa. Um quadro se movendo lentamente com o vento... dá pra sentir as flores dos ipês roçando no rosto... beso

Joana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Arianne disse...

Cheirinho de família... deu pra sentir daqui!
Olá! hahaha. Não aceita o outro comentário, é que é uma confusão de contas na minha weblife.