sábado, 19 de setembro de 2009

A letra "A" tem teu nome

Não precisamos de apresentações, permissões e paciência. Não nos é permitido cobrança, esperança e crença alguma. Temos o infinito dentro dos olhos e um relógio quebrado que pulsa numa velocidade incrível, mas que não deixa o tempo passar.

Não me culpo e jamais farei isso. Sou dele. E quando assim sou ele me faz linda, musa, eterna. Ele vem e desfaz meus limites, desata os nós e ficamos nós dois juntos. Unidos por um elo tão perene e tenaz que nem eu sei o quanto. Porque fomos moldados como um par. Peças completas de encaixe perfeito. Somos água e moinho. Por mais que eu siga mundo afora ou que ele também seja movido por vento. Eu me perco e ele se deixa levar; mas juntos, ah, juntos nós cantamos. E é essa música, nossa, infinita e inaudível. Que me mantém atada a uma liberdade tão grande, tão insubmissa e desafiadora que a Ausência morre de medo do meu riso. E eu posso descer essas escadas empunhando a mais pura felicidade plantada nessa história.

Sendo dele sou Bouguereau, Tadema, Waterhouse e Modigliani. Sou Vinícius, Ferreira Gullar e Chico. E só meu cabelo molhado, meus óculos e essas unhas recém vermelhas entendem porque eu me mantenho cheirando a jardim em manhã de chuva. Agora já não luto. Aceito esses pedacinhos de paraíso com resignação e sem nenhum por quê. É nesse amor que eu guardo as ilusões que me permito. É desse amor que tiro a certeza de todos os outros amores que conheço e conhecerei um dia. Eu sei que ele nunca virá em um cavalo branco, não preciso. Eu sou meu final feliz.

Vocês trazem alegria para esta casa.

4 comentários:

Donana disse...

Tão lindo(a)!

Gil Costa. disse...

...saindo daqui mais "apaixonada".

Um beijo.

Gil Costa. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosa Magalhães disse...

Um belíssimo Modigliani, eu diria.

Como é que sai tanta poesia de uma pessoa só???

Te adoro, beijos!